LEITE ADULTERADO – Empresa gaúcha envia 299 mil litros de leite adulterado para SP e PR

Posted on mar 15 2014 - 11:11pm by Athos Moraes

14/03 – A Operação Leite Compensado 4, deflagrada na manhã de ontem, sexta-feira (14), concluiu que 299 mil litros de leite adulterado foram distribuídos no Paraná e em São Paulo, embalados com as marcas Parmalat e Líder. A operação começou em fevereiro, quando o Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS) recebeu documentação do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) informando que 12 amostras de leite cru, coletadas no posto de resfriamento do Laticínios O Rei do Sul, em Condor (RS), tinham formol. Odir Pedro Zamadei, dono do posto de resfriamento, foi preso.

LEITE ADULTERADO   Empresa gaúcha envia 299 mil litros de leite adulterado para SP e PR 1x1.trans

LEITE ADULTERADO – Empresa gaúcha envia 299 mil litros de leite adulterado para SP e PR – Foto: Uros Kotnik/SXC

Parte do leite impróprio foi entregue à LBR, de Tapejara (RS), empresa de laticínios que enviou 100 mil litros de leite para a unidade de Guaratinguetá (SP) e 199 mil litros para a cidade de Lobato (PR). O leite adulterado, enviado para São Paulo, foi embalado com a marca Parmalat, enquanto o que foi para o Paraná foi embalado com a marca Líder. A empresa LBR não informou o lote de produção, mas a data de fabricação é nos dias 13 e 14 de fevereiro.

A operação é organizada pelo MP-RS, em parceria com o Mapa e outras instituições como a Polícia Civil e a Brigada Militar, que cumpriram mandados de busca e apreensão em oito municípios gaúchos, de diferentes regiões do Estado.

O promotor de Justiça Mauro Rockenbach, divulgou nota na qual diz ser “inacreditável” que esse tipo de fraude tenha acontecido, depois de apurações do MP-RS para responsabilizar os fraudadores de leite. Ele suspeita que o produto tenha sido enviado para mercados de outros estados para escapar da fiscalização.

A Operação Leite Compensado foi deflagrada, inicialmente, em maio de 2013. Na época, as investigações concluíram que cinco empresas de transporte de leite adicionavam ao produto cru, entregue à indústria, uma substância semelhante à ureia, que tem formol na composição e é considerada cancerígena pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

A empresa LBR, que responde pelas marcas Líder e Parmalat, ainda não se manifestou sobre o assunto.

Da Agência Brasil
Edição final: Athos Moraes/Folha Paulistana

Comente este assunto e dê sua opinião

Comentários