Morreu Canarinho que estava há quase 27 anos no SBT como humorista – Cremação acontece hoje (22) em Mogi das Cruzes (SP)

Morreu Canarinho que estava há quase 27 anos no SBT como humorista - Cremação acontece hoje (22) em Mogi das Cruzes (SP) - Reprodução
Morreu Canarinho que estava há quase 27 anos no SBT como humorista – Cremação acontece hoje (22) em Mogi das Cruzes (SP) – Reprodução

Atualizado 22/03 – Morreu na tarde desta sexta-feira (21), aos 86 anos, o humorista Aloísio Ferreira Gomes, o Canarinho, que por tantos anos fez parte do programa A Praça é Nossa, exibido no SBT, sob o comando de Carlos Alberto de Nóbrega. Desde o dia (16), quando sofreu um infarto agudo no miocárdio, Canarinho estava internado em Mogi das Cruzes no Hospital Santana.

O Corpo de Canarinho está sendo velado na cidade de Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo e será cremado na manhã deste sábado (22) no Crematório da Vila Alpina, localizado na zona Leste de São Paulo.

A assessoria de imprensa do SBT, informou que Canarinho deixou seis filhos, três netos e sua esposa Rosa Melo. Ainda segundo a assessoria da emissora, ser cremado era o desejo de Canarinho quando morresse.

Canarinho vai deixar saudades com certeza, com seu jeito totalmente irreverente. Fique com Deus Canarinho!

Por William Camargo/Folha Paulistana

William Camargo

William Camargo, 42 anos, nasceu em São Paulo, no bairro do Jaraguá, Zona Oeste. Se formou em jornalismo na Universidade UniSantana com ênfase em fotojornalismo. É morador da cidade histórica de Santana de Parnaíba. Teve passagens por veículos de comunicação nacionais e internacionais, bem como em agências de notícias. O jornalista William Camargo, pratica o jornalismo desde os 14 anos de idade, quando também teve seu primeiro contato com a fotografia, vindo posteriormente a se especializar na área, tornando-se professor desta disciplina. Atualmente é editor do portal de notícias Folha Paulistana, no qual exerce a função desde 2007. "A comunicação corre como sangue em minhas veias. Como disse o mestre Renato Russo: 'Não é o que se diz, mas sim como se diz'!", comentou o jornalista. "O dia em que for necessário me vender para sobreviver do jornalismo, significará que minha carreira terminou!! Não me vendo e acredito que a verdade tem que ser dita, doa a quem doer", finalizou.